Atenção: Sua empresa poderá receber citações de ações judiciais sem seu conhecimento


Autor: Andressa Leonardo Fujimoto / Data: 7 de março de 2024
Atualmente, a comunicação processual é realizada de diversas maneiras: via correios, por oficiais de justiça, pelo Diário de Justiça, e pelos portais de cada Tribunal. Considerando tais formas, podemos destacar diversos problemas, como por exemplo, a dificuldade em localizar os destinatários, além de despender maior tempo e custos para sua concretização.

Pensando nisso, o Conselho Nacional de Justiça em parceria com o PNUD e FEBRABAN, criou o chamado DOMILÍCIO ELETRÔNICO, como forma de centralizar todas as comunicações processuais, incluindo citações e intimações, de forma eletrônica, às pessoas físicas e jurídicas cadastradas. Tal sistema será obrigatório e conectará todos os Tribunais brasileiros, substituindo as comunicações físicas.

Com a edição da Lei nº 14.195, de 26 de agosto de 2021, em seu artigo 246, caput, a citação será realizada, preferencialmente por meio eletrônico, no prazo de até 2 (dois) dias úteis, contado da decisão que a determinar, por meio dos endereços eletrônicos indicados pelo citando no banco de dados do Poder Judiciário, conforme regulamento do Conselho Nacional de Justiça.

O cadastramento estará disponível para todas as pessoas físicas e jurídicas que possuírem registro na Receita Federal e, por essa razão, é importantíssimo manter os dados atualizados, sendo obrigatório para a União, estados, Distrito Federal, municípios, entidades da administração indireta e empresas públicas, e opcional para as microempresas e empresas de pequeno porte que possuem endereço eletrônico cadastrado no sistema integrado da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios (Redesim), nos termos previstos no § 5º do art. 246 do CPC/2015, além de pessoas físicas.

O acesso ao sistema se dará através do site e, maiores detalhes relacionados aos cadastros em si, configurações recomendadas para acesso, bem como perguntas frequentes a respeito, estão disponíveis no MANUAL DO USUÁRIO, dentro do próprio site do CNJ.

Em caso de ausência de confirmação, em até 3 dias úteis, contados do recebimento dessas citações eletrônicas, a citação, além de ser realizada por outra forma, poderá implicar na aplicação de multa, por ato atentatório à dignidade da justiça, de até 5% do valor da causa, nos termos dos §1º-B e §1º-C, do artigo 246 do CPC, caso o Réu não apresente JUSTA CAUSA para a ausência de confirmação do recebimento da citação, conforme abaixo:


“Na primeira oportunidade de falar nos autos, o réu citado nas formas previstas nos incisos I, II, III e IV do § 1º-A deste artigo deverá apresentar justa causa para a ausência de confirmação do recebimento da citação enviada eletronicamente.
Considera-se ato atentatório à dignidade da justiça, passível de multa de até 5% (cinco por cento) do valor da causa, deixar de confirmar no prazo legal, sem justa causa, o recebimento da citação recebida por meio eletrônico.”


Neste momento, a liberação do Domicílio Judicial Eletrônico está acontecendo mediante cronograma específico de acordo com o público-alvo:



No dia 01/03/2024 iniciou-se o prazo de 90 dias para Grandes e Médias empresas se cadastrarem voluntariamente na plataforma. Após a finalização desse prazo (30/05/2024), o cadastro será realizado de forma compulsória, sujeito a penalidades e riscos de perda de prazos processuais.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) espera garantir a adesão voluntária de 350 mil empresas privadas com CNPJ ativo, que passarão a acompanhar o andamento de processos e ações judiciais na plataforma.

Relacionados

  • Atenção: Sua empresa poderá receber citações de ações judiciais sem seu conhecimento

    7 de março de 2024

    Autor: Andressa Leonardo Fujimoto

    O Conselho Nacional de Justiça em parceria com o PNUD e FEBRABAN, criou o chamado DOMILÍCIO ELETRÔNICO, como forma de centralizar todas as comunicações processuais, incluindo citações e intimações, de forma eletrônica, às pessoas físicas e jurídicas cadastradas. Tal sistema será obrigatório e conectará todos os Tribunais brasileiros, substituindo as comunicações físicas.

    Ler artigo
  • Recusa ao oferecimento de seguro-garantia em execuções fiscais

    16 de fevereiro de 2024

    Autor: Marco Favini

    O sócio Marco Favini aborda, em artigo, o seguro-garantia como instrumento de penhora de débitos tributários no âmbito das execuções fiscais e a recusa por autoridades estaduais e municipais que alegam a não idoneidade da opção ao não se prestar à garantia por ter prazo de vigência determinado.

    Ler artigo
  • STF altera entendimento sobre regime de bens no casamento de pessoas 70+

    2 de fevereiro de 2024

    Autor: Fernando Brandão Whitaker e Regina Montagnini

    Na última quinta-feira (01/02) o Pleno do Supremo Tribunal Federal decidiu, por unanimidade, que deixa de ser obrigatório o regime de separação total de bens para casamentos e uniões estáveis de pessoas com 70 anos ou mais.

    Ler artigo